Cuide-se


Stacks Image 7
INFORMAÇÃO: Essa é a melhor prevenção para o câncer de intestino


O que é o câncer do intestino ou colorretal?
O câncer colorretal é um tumor maligno que se origina no intestino grosso que é a parte do tubo digestivo que inclui o cólon, reto e ânus.

Quem corre risco?
Uma dieta pobre em fibras e rica em gordura, com grande quantidade de conservantes e aditivos químicos, o fumo, a obesidade e o sedentarismo, estão associados ao câncer colorretal.
Pessoas com antecedentes familiar de pólipos, câncer colorretal e ginecológico (mama, útero e ovário) têm maior risco de desenvolver o câncer colorretal.

O que é pólipo?
Um pólipo é uma lesão nodular na parede interna do intestino, encontrado com frequência durante a colonoscopia, principalmente em pessoas com mais de 50 anos de idade. Um pólipo pode se transformar em câncer, em processo que leva um longo período de tempo, de 5 a 15 anos.
A colonoscopia pode detectar e remover os pólipos do intestino grosso.

Quais os sintomas? Quando suspeitar?
O câncer de intestino se desenvolve silenciosamente por algum tempo, sem apresentar sintomas. Os sintomas mais comuns associados ao câncer colorretal são:
  • Presença de sangue nas fezes
  • Mudanças no hábito intestinal
  • Sensação de evacuação incompleta
  • Cansaço ou fadiga sem causa aparente
  • Dores abdominais
  • Perda de peso inesperada e repentina

Quem deve fazer os exames?
  • Homens e mulheres acima dos 50 anos
  • Pessoas com histórico de pólipos e seus familiares
  • Familiares de indivíduos que desenvolveram câncer de intestino ou ginecológico (mama, ovário, útero)
  • Pessoas com colite por muito tempo (retocolite ulcerativa ou doença de Crohn)

Quando iniciar os exames?
A investigação do câncer colorretal deve começar a partir dos 50 anos. Os indivíduos com antecedentes familiares de câncer de intestino e pólipos, devem iniciar a investigação aos 40 anos.

A investigação é para todos, inclusive para pessoas que não apresentam sintomas.

Quais são os exames disponíveis para a investigação?
Há vários exames disponíveis para a investigação do câncer colorretal. Conte ao seu médico fatos sobre sua saúde e a de seus familiares e ele indicará qual o exame a ser feito e quando repetí-lo. Através de um exame retal digital, a parte inferior do reto pode ser facilmente avaliada e os pólipos e tumores detectados. É rápido e indolor.
O teste de sangue oculto nas fezes, que pode ter origem em um pólipo ou câncer é simples e pode ser feito em laboratório. Quando o resultado é positivo, é necessário realizar uma avaliação endoscópica completa do intestino. A retossigmoidoscopia é um exame do segmento final do intestino e pode ser realizado em consultório médico. A colonoscopia permite a visualização de todo o intestino, portanto, a detecção e retirada dos pólipos eventualmente existentes, evitando assim a transformação em câncer.

Prevenção

Quais os alimentos ou que dieta recomendados para evitar o câncer colorretal? Existem alimentos que realmente favorecem a sua ocorrência?
Não há alimentos que causam câncer colorretal. No entanto, estudos realizados em diferentes populações identificaram associações que podem afetar o risco de desenvolver câncer de cólon ou de pólipos. Parece haver um risco aumentado de câncer colorretal em países com maior consumo de carne vermelha ou gorduras. Por exemplo, os Estados Unidos, Canadá e Australia têm taxas mais elevadas de câncer colorretal do que países como o Japão ou a Nigéria, onde a carne e o consumo de gordura são mais baixos.
Da mesma forma, foi verificado uma associação com diminuição das taxas de câncer colorretal e aumento da ingestão de fibras. Porém, estudos recentes têm questionado esta associação. Entretanto, em geral, recomenda-se uma dieta rica em fibras vegetais, pobre em gordura e moderada a baixa em carne vermelha. As fibras são benéficas pois além do valor nutricional geral, promovem boa função intestinal. Além disso, a fibra também é benéfica para os indivíduos com diabetes, doença cardíaca, hipertensão e uma variedade de outras condições médicas. Finalmente, cálcio e, talvez, o ácido fólico parecem ter efeito protetor no intestino grosso.